Torna-se necessário alterar, modificar e melhorar a sociedade. É preciso renovar opiniões e ideias. Pois vivemos em constante mudança. É preciso que haja A Revolta das Ideias. Ah e não se esqueçam que os vossos comentários são muito importantes
Terça-feira, 25 de Setembro de 2007
Tributo a José Rodrigues dos Santos

 

Já estava referenciado neste blog que José Rodrigues dos Santos (JRS) pertencia à minha lista dos escritores favoritos. Mais se acentuou essa situação quando acabei de ler o seu primeiro romance, Ilha das Trevas. Definitivamente era me inevitável não poder reforçar ainda mais essa situação, visto que fica assim completa a leitura de todas as obras romanceadas do jornalista/escritor até ao momento.

Explicar o porquê de tanto gostar dos seus romances, não é de uma linear explicação. Ou seja, aquilo que eu encontro nos livros de JRS, que me capta e prende a atenção, não é fácil de transmitir, é como os sentimentos, sentimo-los, mas na realidade nunca os conseguimos definir, em palavras. Mas posso tentar explicar.

Aquilo que encontrei em todos eles foi uma história. Uma história bem contada, bem narrada, bem descrita, bem elaborada. Será a experiência jornalística? Talvez. A verdade é uma, a história flui liberta numa direcção cativante e depois apresenta muita informação, com muitos relatos históricos.

Mas será mais fácil falar livro a livro.

 

O Codex 632 foi o primeiro livro que li de JRS. Comprei-o pela publicidade que se fazia dela na imprensa, não tanto pelo tema, mas por se falar muito nele. Não queria que me acontecesse o mesmo aquando do Código Da Vinci. Bem, li e adorei a história, o emanharado da aventura do Tomás Noronha, do envolvimento italiano, da descoberta do português Colombo e também da experiência pessoal com a filha.

Todas estas mini-histórias encaixam-se muito bem umas nas outras e resultam num espectacular festival de sucessivos impasses e reviravoltas na narrativa.

Depois tudo isto ainda se encontra muito bem acompanhado de bastante informação, nomeadamente, relatos históricos, dos descobrimentos, e até da história da Cabala.

O português Cristóvão Colombo.

A nota é 8/10

 A Fórmula de Deus foi o segundo livro a ler. Comprei-o pelo tema e por já ter lido JRS, portanto já sabia mais ou menos com que podia contar.

Neste livro a personagem principal mantém-se, Tomás Noronha, e desta vez é lhe incumbida a missão de decifrar um enigma de Einstein. Supostamente esse enigma continha uma importante revelação, que para os Iranianos podia passar por uma bomba nuclear. Contudo a substância do enigma é bem mais esotérica, visto que tenta apresentar a fórmula que explica a existência de Deus. A explicação científica de Deus.

Neste demanda para tentar decifrar esta mensagem, Tomás viaja entre Portugal, Estados Unidos, Irão e termina no Tibete, onde obtém a resposta final.

Uma abordagem sobre Deus.

A nota é 8/10

 

Depois de ter lido os outros dois e depois de ter lido a crítica deste livro (muito positiva) confesso que fui para a sua leitura com expectativas bastante elevadas.

Mas neste caso a experiência revelou que as expectativas foram não só igualadas como foram  superadas.

Este romance apesar da dimensão, lê-se muito bem e não cansa nada. Visto que quando gostamos de um coisa, quanto maior durabilidade tiver, melhor.

É exactamente este o caso. Uma história de amor, de guerra, medo, paixão, amizade, terror, sofrimento. Fala sobre futebol, religião, 1ª Guerra Mundial, praticamente tudo o que importa saber naquela época.

Conta a vida desde criança de um português, Afonso Brandão e de uma francesa Agnés Chevallier. Continua até se encontrarem por causa da participação do capitão Afonso na guerra na Flandres. Apaixonam-se e aí começa uma história de amor, bastante intermente, que termina com uma prova desse amor, a filha.

Os contornos da participação portuguesa na 1ª Guerra Mundial.

A nota é 10/10

 

A Ilhas das Trevas conta a história de Timor Leste, desde deixar de ser uma colónia portuguesa, passando pela invasão indonésia, até chegar a um país livre.

O relato histórico é fantástico é praticamente um livro de História. Mas esta História é contada como muitas vezes acontece através de histórias pequenas. Neste caso a história de Paulino da Conceição, timorense que viveu por dentro toda esta transformação.

Paulino da Conceição é quem nos dá a conhecer Timor e o povo timorense. Povo este substancialmente dizimado pelos indonésios, aquando da invasão que decidiram fazer com o intuito de ajudar o povo timorense a livrar-se do comunismo, que a revolução colonial no pós 25 de Abril, trouxe àquela colónia portuguesa.

De relembrar que este romance é uma ficção baseada em factos verídicos, bem verídicos. Ou não estivesse ele incluído numa colecção chamada, Ficção/Verdade.

A nota é 9/10



publicado por rui_amaral às 22:13
link do post | comentar | favorito

13 comentários:
De dolce_vita a 26 de Setembro de 2007 às 00:31
Boa noite Rui
Com o seu post,chamou ateção para alguém que se impõe pela forma de estar no palco que é a comunicação
Vou ler este último livro dele.
Admiro-o como jornalista,como escritor não tenho muitas referências,mas deixou-me curiosa.O tema diz-nos muito.
Obrigada pela escolha
RS


De RB a 26 de Setembro de 2007 às 00:40
Só li o Codex e gostei. Esqueceste-te de falar da cena de sexo gastronómico do livro. Obrigado pelo comentário ao post, talvez queiras ver o comentário ao comentário.


De nofimdoarcoiris a 26 de Setembro de 2007 às 13:19
Já li todos os livros a que te referes neste post com excepção de "A Fórmula de Deus" o qual se encontra em fila de espera (deve ser o próximo). Concordo plenamente com tudo o que escreves sobre os outros. São livros intensos, que nos envolvem! Ao lê-los fica-se com a situação que somos colocados lá, no texto, não como leitores mas como alguém que está a assistir ao vivo ao que está a ser descrito.
Gostei bastante do Codex 632" com uma trama muito bem concebida, delirei com aquela história tão romântica passada no início do século XX, para além de ter gostado bastante da envolvente histórica que nos é apresentada no decorrer da infância e juventude dos protagonistas. Já com "A Ilha das Trevas", primeiro livro que li deste jornalista/escritor, deixei-me envolver pela emoção. Chega a ser arrepiante a forma como nos dá a conhecer aquilo por que passaram os timorenses , através da história comovente de Paulino da Conceição. Um bom jornalista, um óptimo contador de histórias!


De foryou a 27 de Setembro de 2007 às 23:12
Também um dos meus escritores favoritos. Falta-me ler um que ainda não tive tempo.
Bom post! :)


De "A minha pátria é a língua portuguesa" a 1 de Outubro de 2007 às 00:30
Para os admiradores de José Rodrigues dos Santos aqui vai uma boa notícia: ele vai publicar um novo romance dentro em breve, segundo li na revista "Visão".


De Fernando Pereira a 9 de Outubro de 2007 às 23:08
Já li todos os livros dele e adorei-os a todos.
Mas tenho a destacar o livro "A Filha do Capitão". Uma história muito bem contada que me cativou da primeira à última página...


De M. a 10 de Outubro de 2007 às 21:37
Não tenho nda contra o senhor, mas acho os livros dele intrgáveis! Já li os 3 primeiros e acho todos mto maus...são opiniões...


De rui_amaral a 10 de Outubro de 2007 às 22:01
Fiquei muito curioso.
Muito maus?!
Porquê?


De M. a 31 de Outubro de 2007 às 14:29
Acho os livros dele muito maus porque ele tenta forçadamente "meter" cenas de sexo ou eróticas (ou que quer ele as chame!) nos seus livros...acho que o faz de uma forma despropositada!
Por fim acho que os livros dele são apenas histórias de fazer dinheiro, ou seja, são apenas livros comerciais! E talvez isso explique grande parte do seu sucesso!

Esta é a minha opinião, cada um terá a sua!


De vladimir da lapa a 10 de Outubro de 2007 às 23:06
Um comunicador oral e escrito, excelente aos dois níveis...


De cigana a 11 de Outubro de 2007 às 00:07
Acho muito interessante e louvável esta iniciativa de criticar e elogiar livros, promovendo a sua divulgação.
Foi-me oferecida a "Fórmula de Deus", de que gostei imenso e deixou-me entusiasmada para avançar para os outros.
Vá dando ideias de vez em quando, serão apreciadas. Pelo menos, por mim!


De gmsmc a 11 de Outubro de 2007 às 08:31
Convido-te a leres http://omurodaslamentacoes.blogs.sapo.pt/246323.html; se concordares, assina.


Comentar post

eu
Concordo Plenamente
"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar" Helena Vaz da Silva
Dezembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Ele há coisas...

Solução para a falta de á...

Internet: Reflexão (II)

Internet: Reflexão

Ambiente Musical

Tributo a José Rodrigues ...

Lentamente

Não sei se rie, não sei s...

Quis saber quem sou

Prisões sub-21

arquivos

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Perdidos
Free Web Site Counter
Free Counter
subscrever feeds