Torna-se necessário alterar, modificar e melhorar a sociedade. É preciso renovar opiniões e ideias. Pois vivemos em constante mudança. É preciso que haja A Revolta das Ideias. Ah e não se esqueçam que os vossos comentários são muito importantes
Quinta-feira, 1 de Fevereiro de 2007
Consequências da vitória do Não
As consequências da vitória do não neste referendo implica concordar com a lei actual. Neste sentido esta vitória continuará a proteger o embrião nos actuais moldes e pelo menos existe uma ideia ou tentativa de penalizar quem decidir acabar com a vida do embrião que dará início a uma nova.
A actual lei tem ainda um papel dissuasor, ou seja, esta lei pode fazer com que uma mulher grávida desista do aborto, clandestino ou não (Espanha) por no seu país estar previsto esta prática ser condenada. Embora não existam mulheres presas por tal facto. Apesar desta situação poder ocorrer, a vitória do não continuará a não combater o aborto clandestino e as suas graves repercussões. Continuará a penalizar as mulheres mais pobres, visto que as mais ricas têm possibilidades de recorrer ao aborto em segurança no estrangeiro.
Mas também uma situação deveras preocupante é o facto de que a vitória do não fará com que as portas dos hospitais públicas continuem fechadas às mulheres que a eles decidem recorrer depois de terem tomado a difícil decisão de abortar. Isto resulta ainda numa tal hipocrisia devido à imposição duma questão moral por parte de uns a outros, no caso da vitória do não. Ou seja, a vitória do sim, não obriga quem não concorda a abortar, enquanto que o não, impõe que quem concorda não tenha a possibilidade de abortar.


publicado por rui_amaral às 22:28
link do post | comentar | favorito

Consequências da vitória do Sim
Se no próximo referendo, o eleitorado der a vitória ao sim, a lei alterar-se-á passando a não serem penalizadas as mulheres grávidas que abortarem até às 10 semanas de gravidez.
Como principais consequências desta alteração teremos: a possibilidade de se realizarem abortos em estabelecimentos de saúde legais, com excelentes condições médicas, acabando com os abortos clandestinos. Desta maneira os riscos de saúde para as mulheres que abortam diminuem. Acabam os humilhantes julgamentos de mulheres que abortaram por a vida não lhes dar outra opção. É dada uma oportunidade à mulher/casal de interromper uma gravidez indesejada. Que por vezes acabam em maus tratos e abandono.
Contudo, penso, que nem tudo são consequências positivas. Vejamos, esta despenalização não será a fachada da liberalização, na medida em que a mulher não apresenta justificações, nem psicológicas, nem económicas, nem sociais, a quem quer que seja (médico, por exemplo). Outra questão é o facto da mulher poder utilizar o aborto uma, duas, três, n vezes, sem ser sequer aconselhada por um médico. Desta maneira o aborto pode ser visto como mais um método contraceptivo e neste caso o último. Mas a questão mais importante prende-se com a possibilidade de haver a destruição voluntária de uma vida em potência, ou seja, até às 10 semanas já o embrião adoptou um padrão genético único e próprio e diferente do dos pais e este início de vida será interrompido. Desta maneira abortar algo que está em nós (neste caso nas mulheres), mas que não nos pertence é uma atitude um tanto ao quanto ditatorial.


publicado por rui_amaral às 22:15
link do post | comentar | favorito

eu
Concordo Plenamente
"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar" Helena Vaz da Silva
Dezembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Ele há coisas...

Solução para a falta de á...

Internet: Reflexão (II)

Internet: Reflexão

Ambiente Musical

Tributo a José Rodrigues ...

Lentamente

Não sei se rie, não sei s...

Quis saber quem sou

Prisões sub-21

arquivos

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Perdidos
Free Web Site Counter
Free Counter
subscrever feeds