Torna-se necessário alterar, modificar e melhorar a sociedade. É preciso renovar opiniões e ideias. Pois vivemos em constante mudança. É preciso que haja A Revolta das Ideias. Ah e não se esqueçam que os vossos comentários são muito importantes
Sexta-feira, 22 de Junho de 2007
Memorial do Convento

 

Foi o primeiro livro que li de José Saramago por alturas do 12º ano.

Ao início, como seria de esperar, custou-me um pouco apreender o modo de escrever de Saramago. Mas com um tempo aquilo foi ao sítio.

Este livro relata a história da construção do convento de Mafra sobre o olhar de amor entre Baltazar e Blimunda.

Baltazar, maneta da mão esquerda (como Deus), perdida em combate para os lados de Espanha (Deus terá sido noutra ocasião), é um jovem humilde e trabalhador, que regressou inválido a Lisboa. Onde na altura decorria uma procissão do Santo Ofício.

E foi neste momento que conheceu Blimunda, que assistia impotente ao julgamento da sua mãe, acusada de bruxaria.

Por indicação última da mãe, Blimunda junta-se a Baltazar e a partir daqui, partilham juntos, todas as peripécias da vida. Da mãe herda o poder de ver o interior das pessoas, quando em jejum. Poder esse que prometeu a Baltazar, não lhe seria aplicado.

Baltazar e Blimunda são incumbidos pelo padre Bartolomeu Lourenço, conhecido dela, de terminar a passarola que este tencionava criar, cumprindo-se um dos seus sonhos que era voar.

Mas toda esta história começa com a infertilidade de D. João V e D. Maria Ana Josefa, que para acabar com o infortunio e por sugestão do frei António de S. José, prometeu construir um convento na vila de Mafra se a rainha lhe desse um filho.

Depois, sabe se lá por que intercedimentos (?), a rainha acaba mesmo por engravidar e dar à luz um filho. E D. João V, fiel ao seu compromisso, por temer a justiça divina e por ter os cofres do reino cheios de ouro brasileiro, manda edificar um convento em Mafra. Inicialmente queria uma obra igual à basílica do Vaticano, mas depois aconselhado atendeu a construir uma coisa mais pequena e que lhe desse a possibilidade de a ver construída. É que o rei já não ia para novo.

E é assim que Saramago nos descreve a construção megalómana do Convento de Mafra, os custos materiais inerentes, os custos humanos pagos com a vida, os custos nacionais pagos com a mobilização masculina global naquele pedaço de Mafra. Isto tudo através da óptica de Baltazar e Blimunda, sobre o seu amor e sobre a construção da passarola que eles ousaram construir e pôr a voar através da reunião das vontades.

É caso para dizer, adulterando a célebre frase de Fernando Pessoa, outro Grande Português (não como o outro):

O Homem sonha, tem vontade, a Obra nasce.


sinto-me: inspirado

publicado por rui_amaral às 00:29
link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De zetrolha a 23 de Junho de 2007 às 01:30
Desde o 12ºano e ainda não recuperaste do choque!


Comentar post

eu
Concordo Plenamente
"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar" Helena Vaz da Silva
Dezembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Ele há coisas...

Solução para a falta de á...

Internet: Reflexão (II)

Internet: Reflexão

Ambiente Musical

Tributo a José Rodrigues ...

Lentamente

Não sei se rie, não sei s...

Quis saber quem sou

Prisões sub-21

arquivos

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Perdidos
Free Web Site Counter
Free Counter
subscrever feeds